Quando o assunto é marca, em geral as empresas imaginam que um registro de propriedade nos órgãos habilitados para este fim é suficiente para proteger esse importante patrimônio. Mas para conseguir a verdadeira proteção da marca há uma lista enorme de passos fundamentais, todos prioritários.

Para iniciar por um deles, deve-se assegurar antes de tudo a qualidade do produto ou serviço que materializa a marca, aferir a qualidade dos parceiros e fornecedores envolvidos na cadeia de valor e entender como é feito o atendimento pré e pós-venda.

Quando esses quesitos estiverem equacionados, convém lembrar os princípios do marketing holístico, cuja cadeia de valor acompanha o produto em todo o seu ciclo de vida. Então, vamos agregar à análise o planejamento prévio, a logística de recepção de matérias-primas e entrega do produto final, o cumprimento de prazos, a otimização dos recursos humanos e materiais, o respeito à diversidade e o compromisso com a ética. A amarração final fundamenta-se no tripé da sustentabilidade, considerando os aspectos econômicos, sociais e ambientais.

Para concluir, se o produto ou serviço gerou empregos devidamente remunerados, proporcionou uma relação harmônica entre todas as instâncias envolvidas, com elevado nível de satisfação em todas elas, qualidade compatível com o seu posicionamento e gerou lucro, podemos afirmar que o caminho da marca segura está sendo percorrido.

Joaquim Ferreira – Jornalista e sócio da Fazer Comunicação Integrada

“Quem não se comunica se trumbica” dizia Abelardo Barbosa, o Chacrinha. Pegando carona na sabedoria do “Velho Guerreiro” e aproveitando o linguajar digital, poderíamos dizer hoje que “Quem não dialoga não se loga”, nem inicia a comunicação.
Essa fala, aliás, não vale somente para hoje. Mas a história mostra que valeu ontem e o futuro, que valerá sempre. Pois, quem não dialoga não se comunica, já que o diálogo é a base da comunicação e do entendimento.

É pena que poucos percebam isso, no dia a dia, em atitudes pessoais, empresariais ou políticas, o que nos tem levado muitas vezes a mais erros que acertos, gerado conflitos, desequilíbrio social e ambiental, entre outras consequências negativas que impactam pessoas e corporações.

A palavra “diálogo” é de origem grega e vem da junção de duas outras palavras: “dia”, que significa “por intermédio de” e logos, que foi traduzida para o latim como “razão”, mas tem outros significados, como as próprias palavras “palavra” e “significado”, além de “fala”, “verbo”, “relação” e “relacionamento”.

Todos esses significados estão intrinsicamente ligados à comunicação, porém ainda, de forma incompleta, porque podemos até falar muito bem, ter vocabulário rico, boa argumentação, expor nossas ideias com propriedade. Mas essas habilidades e muitas outras que poderíamos enumerar neste texto não são suficientes para se estabelecer o diálogo e a comunicação.

Mesmo com todas as ferramentas tecnológicas que dispomos atualmente para nos comunicar, não conseguimos fazer isso sem antes aprender o básico que é “ouvir”: Somente ouvindo temos o melhor briefing para que, com conhecimento, experiência e criatividade, possamos apresentar a melhor proposta para o nosso cliente, a melhor resposta para o nosso público, aquela que vai fazer fluir o diálogo, nos “logar” a ele e se estabelecer a comunicação.

Wanderley Oliveira – Jornalista e sócio da Fazer Comunicação Integrada

Post Mais Lidos

  • 1

© 2016 Fazer Comunicação Integrada. Todos os direitos reservados